Radio Limite 89.0 FM Castro Daire

Radio Limite 89.0 FM Castro Daire, Radio Radio Limite 89.0 FM Castro Daire ouvir rádios online grátis Radio Limite 89.0 FM Castro Daire Portuga

Mas não pude. Não posso manter a promessa de te dar uma vida confortável. Não posso manter a promessa de vivermos felizes para sempre. Queria dar-te tudo. Queria mesmo. Queria ter uma vida feliz. Porquê… Porque é que não posso? Não é pedir muito. Porque tenho de morrer assim? Porquê? O que fiz eu? O que fiz de tão errado? Não quero morrer assim. Eu estou tão… Estou tão assustado. Mãe. Mãe. Mãe. Estou tão assustado. O que devo fazer? Não! Meu pobre filho! Coitado. Eu não ia chorar assim. Estou a ser tão cobarde. Por favor, não se esqueçam de mim. Não me arrependerei de morrer assim. Lembrem-se de que o Jae-hyeok Kang não foi um falhado. Por favor, lembrem-se disso. Adeus. Não, Jae-hyeok! Jae-hyeok! Jae-hyeok! Jae-hyeok! Não, Jae-hyeok! Jae-hyeok! Jae-hyeok! Meu querido! Meu filho! Meu pobre filho! Jae-hyeok! Jae-hyeok… Mãe! Está quase? Sim, está tudo pronto. Saiam daqui. Saiam depressa. Lamento. Saiam! Depressa! Jae-hyeok! Depressa! Vamos, Kil-sub. Pai. Sai! Vamos! Não temos tempo. Depressa! Depressa! Saiam! Lá estão eles! Venham! Rápido! Precisamos da equipa de resgate! Saiam. Levem-no lá para fora. Porquê? Jae-hyeok! Jae-hyeok! Jae-hyeok… … fizeste um bom trabalho. Jae-hyeok. Jae-hyeok. NOTÍCIA DE ÚLTIMA HORA EXPLOSÃO EM HANBYUL As varas de combustível estão agora no novo tanque. Repito. As varas de combustível estão agora no novo tanque. Quando o enchermos com líquido de refrigeração, as varas estarão em segurança. Ótimo trabalho. Está tudo bem agora. O que aconteceu ao rapaz? O Jae-hyeok está lá. Não conseguiu sair. Senhor, o rapaz chama-se Jae-hyeok Kang. Jae-hyeok Kang. Vou lembrar-me dele. Nunca o vou esquecer. Porque odeias tanto a central? Não a odeio. Tenho medo dela. O que te assusta tanto? A central está a ficar velha. Ninguém parece preocupar-se. Ninguém quer saber. Descansa em paz… É assustador que ninguém se preocupe. Não devia ser assim. Não é só para nós. Pela próxima geração, como a do Min-jae, não devíamos agir assim. Querem deixar uma vida abundante às crianças ou querem deixar um mundo seguro e confortável? Não fechem os olhos nem tapem os ouvidos por medo. Devíamos abrir a Caixa de Pandora. Existem desastres e azares. Mas também existe esperança. Ou quando eu nasci para as trevas, como lhe chamo? É por onde devemos começar, näo acha? Näo está a mentir, pois näo? Por que havia de mentir? Aconteceu em . Eu tinha anos. Era mais novo do que você. Mas os tempos eram diferentes. Já era um homem. Era dono duma grande plantação a sul de New Orleans. A minha mulher morrera de parto. Ela e a criança tinham sido sepultadas há uns seis meses. Teria sido uma felicidade ter ido com elas. Não suportava a dor de as ter perdido. Ansiava libertar-me dessa dor. Queria perder tudo: a minha fortuna… os meus bens… a minha sanidade mental. Quantos ases há num baralho? Está a chamar-me batoteiro? Näo, estou a chamar-lhe um monte de esterco! Falta coragem à sua convicçäo. Dispare! Acima de tudo, ansiava a morte. Sei isso agora. Convidei-a a levar-me. Uma libertação da dor de viver. O convite era extensivo a qualquer um. À prostituta que ia ao meu lado, ou ao chulo que nos seguia. Mas foi um vampiro que o aceitou. Dá-me o dinheiro, ou morres! Ainda queres a morte? Ou já saboreaste o suficiente? Já. Ele deixou-me nas margens do Mississippi… entre a vida e a morte. Quem és? Que fazes na minha casa? Vim responder às tuas preces. A vida já näo tem significado, pois näo? O vinho näo tem sabor. A comida enjoa-te. Parece näo haver razäo para nada, näo é? E se eu ta devolvesse? Se te libertasse da dor… e te desse outra vida? Uma vida como nunca imaginaste. E seria… para sempre. E a doença… e a morte… nunca mais te tocariam. Näo tenhas medo. Vou dar-te a opçäo… que eu… nunca tive. Nessa manhã, eu ainda não era um vampiro… e vi o meu último nascer do Sol. Recordo-o completamente… e, contudo, não recordo nenhum nascer do sol anterior. Vi toda a magnificência da aurora pela última vez… como se fosse a primeira. E depois despedi-me da luz do Sol… e passei a ser… o que sou. Já te despediste da luz? Esgotei-te… até à morte. Se te deixar aqui… morres. Ou… podes ser sempre jovem, meu amigo… como somos agora. Mas tens de me dizer… virás… ou näo? Irei. Irei. O teu corpo está a morrer. Näo ligues. Acontece a todos nós. Agora olha… com os teus olhos de vampiro. O que viu? Näo há palavras para o descrever. É como perguntar ao céu o que ele vê. Nenhum humano pode saber. A estátua pareceu mexer-se, mas não se mexeu. O mundo alterara-se, e contudo estava na mesma. Eu era um vampiro recém-nascido chorando com a beleza da noite. Talvez queira outro cigarro? Apetecia-me. Näo o incomoda, pois näo? Näo morrerá de cancro. Acho que näo. E os crucifixos? Os crucifixos? Consegue olhar para eles? Na verdade, gosto muito de crucifixos. E a estaca no coraçäo? Tolices. E os caixões? Os caixões. Os caixões, infelizmente, säo uma necessidade. Näo te preocupes. Em breve… dormirás täo profundamente como nunca dormiste. E quando acordares, eu estarei à tua espera… e o mundo inteiro também. Tinha de encontrar sangue, era uma necessidade. Na noite seguinte, acordei com uma fome como nunca tivera. Quando saborear isto… nunca mais irá a outra taberna. Achas? E se eu preferir saborear os teus lábios? Os meus lábios säo ainda mais doces. O meu amigo devia… saborear esses lábios. O beijo… dele é… täo profundo… como o seu? Mais profundo, chérie. Näo lhe tirarei a vida. Eu fi-lo por ti. Ela está morta… mortinha de todo, meu amigo. É täo fácil que quase se tem pena delas. Vais habituar-te a matar. Esquece esse mortal abraço. Vais acostumar-te a tudo rapidamente. Näo tem fome? Pelo contrário, chérie. Era capaz de comer a colónia inteira. Eu já acabo. Agora deixa-nos. Näo és capaz de fingir, idiota? Näo sejas täo óbvio. É uma sorte termos uma casa destas. Ao menos finge beber. Täo fino cristal näo deve ser desperdiçado. Eu sei. Arrefece täo depressa. Podemos viver assim? De sangue de animais? Eu näo lhe chamaria viver, mas sobreviver. Um estratagema útil, se estiveres um mês num navio. Agora näo há nada no mundo que näo tenha um certo… Fascínio. Sim.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *