RCP Radio Clube Penafiel 91.8 FM Penafiel

RCP Radio Clube Penafiel 91.8 FM Penafiel, Radio RCP Radio Clube Penafiel 91.8 FM Penafiel ouvir rádios online grátis RCP Radio Clube Penafiel 91.8 FM Penafiel Portuga


Adicione ao seu site.

Dá-me o teu dinheiro ou abro-te um buraco nas tripas. Força. Dispara. Vá lá. Dispara! Vá lá! Tudo bem? Quase. Quase? O que é que isso quer dizer? Ele não queria entregar o dinheiro. Tive de disparar! E ele está jogos Só o feri. Atingi-o no ombro. Quanto dinheiro é que tinha? Cinquenta mil. Atirei a pasta ao mar. Isso foi bom. Isso foi muito bom. E agora? Comprei-te um bilhete para Bordéus. Para quando? Hoje. Às h. Já? Hoje? Cada segundo que ficas em Brest é perigoso. Agora tens dinheiro. Podes cuidar de ti. Cinquenta mil devem chegar-te por algum tempo. Tenho tanta sorte por me teres ajudado, Querelle. Sabes? Esquece. Ainda tens de ter cuidado para não te apanharem. Posso confiar em ti para manteres a boca fechada se fores apanhado? Claro que podes. Os polícias nunca conseguirão arrancar-me nada. Nunca ouvi falar de ti, sequer. Bom, é melhor ir-me embora agora. Pois, acho que é melhor. Lamento por isto, companheiro. A sério. Gostei de ti. Também gostei de ti. Mas voltaremos a ver-nos. Nunca te esquecerei. Dizes isso agora. A vida passa depressa. Já me esqueceste. Nem penses, pá. Não mesmo. Não sou desse tipo de gente. A sério? Não me vais esquecer? Se digo que não, sabes que não. Engraçado como nos tornámos bons amigos. Fomos amigos desde o início. Espero que nada te aconteça. A amizade de Querelle por Gil desenvolveu-se até ao limite do amor. Tal como ele, Gil tinha matado. Ele era um pequeno Querelle por quem Querelle mantinha um estranho sentimento de respeito e curiosidade. Como se ele estivesse perante o feto de um Querelle bebé. Queria fazer amor com ele porque acreditava que a sua ternura seria fortalecida por isso. Porque ficaria mais intimamente ligado a Gil, que, então, se ligaria mais intimamente a si próprio. Mas não sabia como fazê-lo, já que, tendo sempre sido fodido, não sabia como foder um tipo. Um gesto tê-lo-ia envergonhado. És querido, sabias? Porquê? Deixas-me beijar-te assim sem te queixares. Porque haveria? Disse-te que és meu amigo. Isto não te incomoda, pois não? Não. Tens de ser o meu amigo especial para sempre. Estás a perceber? Sim. E vais sê-lo? Sim. De um qualquer modo obscuro, Querelle entendeu que o amor é voluntário. Temos de querê-lo. Quando não amamos homens, deixarmo-nos foder pode dar-nos prazer mas para foder homens, temos de amá-los, nem que seja apenas no momento em que os fodemos. Por isso, se ele ia amar Gil, teria de desistir da sua passividade. Querelle tentou. Meu amigo. É uma pena não podermos ficar juntos para sempre. Mas voltaremos a ver-nos. Para estarmos juntos como aqui jogos Gostaria disso. A visão da solidão, para a qual o amor deles tinha evoluído, aumentou o seu amor por Gil. E sentiu ser tudo para ele, o seu único amigo, a sua única família. Nunca amei um rapaz. És o primeiro. Verdade? Verdade. Gil tinha-se finalmente resignado ao outro crime. A pouco e pouco assumiu a responsabilidade pelo homicídio do marinheiro. Olá. Queres alguma coisa de mim? Depende. De quê? De ti. Tenho uma dica para o Mário. Mas tens de prometer-me que não dizes a ninguém de onde veio. A ninguém. Nunca. Entendido? Prometo-te. É tudo o que posso dizer. Isso serve. Podes dizer ao Mário jogos que o polaco jogos o tal Gil Turko jogos vai estar no comboio que parte para Bordéus às h. Tchau. “Querelle tinha celebrado uma espécie de pacto tácito com o Maligno. Não lhe prometeu nem o seu corpo nem a sua alma, mas outra coisa também tão importante. Um amigo. E o amor deste amigo santificaria o seu crime. É nosso dever expressar o que há de universal num fenómeno particular. Já não falamos mais de uma obra de arte. Porque uma obra de arte é livre.” Mas amado pelo Querelle, eu seria amado por todos os marinheiros em França, porque o Querelle é um compêndio de toda a sua masculinidade e virtudes naïves. Se desejo autoridade, este admirável modelo que evoca o amor e o medo, então tenho de despertar um sentimento por esta autoridade no coração de todos os marinheiros. Eles deviam amar-me. Quero ser o pai deles e feri-los. Marcá-los-ei. Odiar-me-ão. Frente à sua miséria permanecerei impassível. Mais e mais o sentimento de poder perfeito preencherá o meu ser. Tendo conquistado a minha compaixão, serei forte e triste quando considerar o meu disfarce patético. Sei que nunca deixarei o Querelle. Toda a minha vida será dedicada a ele. Bom dia. Quando sofro, não consigo acreditar em Deus. Em sofrimento, só posso contar comigo no infortúnio pelo qual tenho de agradecer a outra pessoa. Sempre soube que eras um assassino! Vá lá! Apunhala-me! Temos de agradecer a Jesus sermos capazes de glorificar a humildade pois Ele fez dela o signo do divino. A divindade nas nossas profundidades mais recônditas jogos Por que razão deveríamos renunciar a violência deste mundo? Se esta divindade deve confrontar a violência, então tem de ser forte se deve alcançar a vitória. E a humildade só pode nascer da humilhação. Porque senão, não é mais do que vaidade. Afasta a tua navalha. Bom dia, Tenente. Bom dia. O que posso fazer por si? Teria a bondade de me acompanhar à esquadra? Com certeza. Por que razão? Quero que olhe para um suspeito.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *